Sobreviver não é justo

July 28, 2017

As utopias pessoais e das nações aspiram ao fim dos conflitos. A paz universal, o nirvana pessoal. Mas o que seria da arte se as sociedades e as pessoas resolvessem de fato seus desentendimentos?  E o que seria do cinema sem a guerra? Restaria mutilado. Ferido talvez de morte. Dentro dos filmes de escaramuças armadas, o subconjunto de obras sobre a II Guerra Mundial merece destaque. Lembre-se de filmes como Fugindo do Inferno (The Great Escape, 1963), com Steve McQueen. Que Frisson, frio na barriga! É do sub-sub item Segunda Guerra que trata de fugas.

                                                                   Foto: Divulgação (Dunkirk)

O sub-sub item de filmes sobre a Segunda Guerra Mundial que versa sobre fuga de soldados aliados dos nazistas acaba de ganhar mais um candidato a obra prima: Dunkirk, de Christopher Nolan. Aborda a escapada dos aliados de Dunquerque, litoral da Bélgica, do cerco nazi. Era maio de 1940, época da Blitzkrieg alemã, quando os exércitos de Hitler praticamente passaram um rolo compressor sobre o Leste e Oeste da Europa restando aos inimigos debandar. Nesse caso, eram 350 mil soldados que sob os morteiros precisavam atravessar o Canal da Mancha até chegar à Inglaterra de Churchill.

 

Existe mais ou menos uma fórmula dos filmes de ação em alternar momentos tensos e de relaxamento. Normalmente, o espectador descansa e depois entra em uma montanha russa cinematográfica, posteriormente respira, em seguida adentra em um trem fantasma em um contínuo sem fim. Em Dunkirk a frouxidão quase não existe. São três batalhas simultâneas, pelo ar, pelo mar e pela terra onde sobreviver nem sempre parece ter um critério justo, ao contrário. Você relaxa de uma batalha assistindo à outra.   

 

 Os três campos de batalha contam com as suas conexões trama, importantes para o desenvolvimento de uma história com poucos diálogos e muita explosão e rajadas. Mas o que une tudo mesmo é a trilha sonora, de um sujeito chamado Hams Zimmer, que deveria ter mérito de ser codiretor de Dunkirk ou mesmo co-roteirista. A música orquestral mantém o pique, mantém a tensão, mantém o clímax. A trilha une as sequências de heroísmo, covardia, solidariedade, medo, egoísmo, generosidade, ações e demais sentimentos contraditórios comuns a todos humanos, mas exacerbados durante a guerra – do que a arte se aproveita e até usa como oxigênio.

 

Vá a Dunkirk. É frenesi vertiginoso. Confira aqui a programação.   

 

Fabiano Lana é jornalista, filósofo, cinéfilo, colecionador de discos de vinil e colaborador da Se7e Cultura

Share on Facebook
Share on Twitter
Please reload

Posts Em Destaque

MIB: Homens de Preto - Internacional (Men in Black: International - 2019)

June 18, 2019

1/10
Please reload

Posts Recentes

October 10, 2019

Please reload

Arquivo