• Vinícius Brandão

Por Trás dos Seus Olhos (All I See is You – 2016)


Não é incomum que pessoas falem sobre o quanto ficaram chocadas que alguns relacionamentos duraram tanto tempo. A verdade cruel é que existem pessoas capazes de fazer coisas terríveis para companheiros e parceiros. Pior ainda, os abusados conseguem resistir às agressões por muito tempo. Apenas por abordar esses temas, este Por Trás dos Seus Olhos já se torna extremamente relevante.

O casal da produção é Gina (Blake Lively) e James (Jason Clarke). Grande parte da vida dos dois é determinada pela dependência dela por ele, uma vez que ela é cega do olho esquerdo e tem uma visão extremamente limitada no direito. Até que ela faz uma cirurgia que permite voltar a enxergar. Sem todas as restrições, a mulher começa a descobrir um novo mundo que talvez não envolva o marido.

Aqui, tudo serve a esse questionamento. Será que os dois são felizes por serem compatíveis, ou por que a condição de Gina a força a depender de James? E se não forem mais capazes de ser felizes juntos, o que será de ambos. Pois Gina, ao começar a enxergar, também passa a descobrir novidades inesperadas sobre a própria personalidade.

Entra em cena o talento do diretor Marc Foster, que usa e abusa de sobreposições de imagens para retratar as sensações da personagem. Quando o casal transa, ela está completamente voltada para o tato, então imagina como se centenas de corpos nus se entrecruzassem com as sensações. Ao tomar banho, por não ter compreensão do espaço além do chuveiro, é como se ela existisse em um infinito de gotas que caem. E o cheiro do vapor também cobre toda a noção que ela tem dos arredores. Tudo isso é retratado em imagens na tela.

Quando Gina volta a enxergar aos poucos, um filtro na câmera consegue até dar a estética de cílios quando olhos se abrem contra a luz. É um cuidado técnico impressionante de Foster, que apenas reforça o sensorial da narrativa, importantíssimo porque o roteiro, escrito por ele em parceira com Sean Conway, não faz questão de detalhar os porquês do enredo.

Muito pelo contrário, o espectador tem que juntar as peças de pequenas pistas tanto do visual, quanto dos acontecimentos. Só se sabe que certos personagens são a irmã e o cunhado da protagonista quando as duas falam sobre a perda dos pais na juventude. Deixar por conta do público compreender o filme aos poucos também reforça uma sensação incômoda.

Fica claro rapidamente que Gina, ao voltar a enxergar, não acha o esposo tão belo quando imaginava. Assim como percebe que a visão permite ter controle em diversas situações, como sexo, saídas de noite, vestimentas, visuais e até interação com pessoas. A insegurança que surge em James, um homem contido e introvertido, e o descontentamento dela, muito mais segura e desapegada, gera um desconforto que se sustenta por toda a projeção. E vai conduzir a um fim em que os dois precisam mentir.

Para isso, Foster também aproveita da fotografia, com cores douradas quando o casal está confortável. Quanto mais a situação se agrava, mais as sombras tomam os espaços que eles dividem. O mergulho de Gina nas novas descobertas da visão é marcado com tons quentes, como o vermelho.

Enquanto a insegurança de James é marcada pelo frio do verde que o cerca. Até o clímax, quando a tela separa as duas cores com os personagens afastados.

Até os figurinos refletem isso. James e Gina tendem a usar roupas com tons pastéis no início. À medida que ela toma o controle, mais as curvas do corpo se destacam, assim como cores escuras, que retratam as dúvidas que o homem tem sobre o que ela pensa. Mesmo a escolha dos atores realça isso, porque Clarke não corresponde a quase nenhum padrão comum de beleza, enquanto Lively, a irmã e o cunhado têm corpos definidos.

No entanto, o casal de atores sustenta a produção além do visual. Um dos problemas do roteiro é que os contrastes dos personagens são bruscos. Eles não têm compatibilidade nenhuma. São os dois que vendem os sentimentos além do texto. Ainda assim, quando James precisa se sentir vulnerável, e eventualmente passar para o comportamento passivo-agressivo, é possível ver tanto a vulnerabilidade, quanto a decisão no olhar dele.

Lively faz o mesmo ao mostrar a vontade de Gina de crescer além do mundo do marido e a resistência para manter o amor e tudo o que os dois construíram juntos. Não fosse a falta de ambientação do roteiro para o amor do casal, e uma necessidade de Foster de se perder em metáforas - como em uma cena em que uma criança encontra uma vaca morta - Por Trás dos Seus Olhos seria uma obra ainda melhor. O que não impede de ser uma experiência

Foto: divulgação

Vinícius Brandão é autor do site Aquela Velha Onda e novo parceiro da Se7e Cultura. Acesse aqui a programação dos cinemas.interessante para discutir algo sob uma nova perspectiva.


2 visualizações

Posts recentes

Ver tudo
Anuncie aqui na Sete Cultura
banner 17 dias.jpg
thumbnail.jpg

Os roteiros de cinema, shows, teatro, diversos, exposição e festas não são publicitários. Estes podem ser enviados para o nosso email contato@setecultura.com

Não nos responsabilizamos pelas modificações de última hora. 

As fotos utilizadas são de Divulgação.

Os artigos assinados não são de responsabilidade da Sete Cultura. Todos os direitos reservados. 

Reprodução proibida sem autorização por escrito.

Dúvidas, Anúncios e Programação

Envie seu email para:

contato@setecultura.com

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

@setecultura

© 2017 por Sete Ltda. Orgulhosamente criado com Wix.com