• Rubens Bonfim

Um guia básico para entender o vídeo “on demand”


Talvez você não saiba, mas o Brasil é o oitavo maior mercado do mundo em vídeo sob demanda. Em inglês video on demand, ou VOD, é um amplo conceito que envolve nomes que talvez você conheça bem. Nesse balaio estão a Netflix, o iTunes, o Google Play Filmes, Amazon Prime, HBO GO, Telecine On e Play, SmartVOD e centenas de outros serviços. E cada um deles tem suas características próprias de conteúdo, modelo de negócio e abrangência. Mas basicamente é qualquer vídeo que você assiste usando a Internet como canal, incluindo filmes, séries, notícias e outros programas de TV disponibilizados para computador, aparelhos móveis, smart TV, vídeo-games e outros aparelhos conectados.

A primeira grande diferença entre todos eles é como você contrata. Em alguns casos como a Netflix e Amazon Prime, há uma mensalidade que dá acesso a todo o conteúdo da plataforma. Em outras como iTunes, Google Play Filmes e SmartVOD, você paga por atração, alugando por um período ou comprando o direito de ver aquele conteúdo na hora que quiser, sem limite de vezes ou de tempo. Em outros casos, o usuário tem o acesso vinculado a outro serviço ou pacote como a de internet ou de TV a cabo. É o caso dos serviços de VOD dos canais de TV, como o Globosat Play. Em algumas situações, há uma oferta combinada, em que o usuário tem acesso aos filmes dos canais Telecine por ser assinante dos canais e pode alugar os filmes por meio do Telecine On. Também há aqueles serviços gratuitos, mas com anúncios. E há plataformas que são verdadeiros tudo em um, como Youtube, onde é possível ver filmes comparados ou alugados pela plataforma Google Play Filmes, conteúdo via assinatura por meio do Youtube TV que oferece programas da ABC, CBS, FOX e NBC (mas só nos EUA por enquanto), além do conteúdo gratuito, que qualquer um pode hospedar, inclusive aquele do seu youtuber preferido.

A segunda é sobre o conteúdo. Alguns serviços como o Netflix, Amazon Prime Vídeo e Crackle oferecem filmes, séries de TV e documentários, alguns itens do catálogo são de produção própria e outros de programação feita por terceiros. Outras plataformas são muito voltadas a nichos específicos de público, como o de fãs de animações orientais (Crunchyroll), games (Twitch), ou esportes (Esporte Interativo, NFL Mobile), culinários (Tastemade) e infantis (Gloob Play, Nickelodeon, Discovery Kids Play). Outros serviços são destinados a dar uma opção para os espectadores de seu conteúdo próprio, como a HBO GO. No fim das contas, será difícil você não achar um conteúdo que não te agrade. Outra diferença entre serviços é a possibilidade de download. O normal dos serviços de VOD é o cliente assistir via streaming, como se assistisse a um vídeo no Youtube. Mas algumas plataformas permitem que você faça o download para assistir sem estar conectado à internet. Muito útil pra quem viaja muito, quer ter algo para ver no metrô ou simplesmente não quer estourar o pacote de dados do celular.

E aí vem a próxima questão: Onde assistir? Praticamente todos esses serviços tem aplicativos para celulares e tablets. Vários tem aplicativos para TVs conectadas, em especial os modelos da LG e Samsung, que são as líderes globais no segmento e contam com maior atenção dos distribuidores de conteúdo, mesmo assim esses aplicativos geralmente tem menos recursos e atualizações menos frequentes que seus primos instalados em celulares. Videogames também possuem muitos aplicativos de VOD, ao menos dos principais serviços. Há também os set-top boxes, aqueles aparelhinhos quase mágicos cheios de serviços, como a Apple TV. Pessoalmente, para mim a melhor opção entre todas as possibilidades do mercado é um aparelhinho da Google, o Chromecast. Com ele ligado na TV você acessa quase todos os bons serviços de VOD do mercado no próprio aplicativo no celular ou computador e joga o conteúdo para tela da sua TV, que nem precisa ser smart TV. Simples e fácil.

Outro ponto a ser observado nos serviços de VOD é o lançamento de títulos. Alguns deles como o iTunes, Google Play Filmes e SmartVOD vão ser os primeiros lugares em que aquele filme que você queria tanto ver no cinema e saiu de cartaz vai chegar. Inclusive antes de chegar nas lojas em formato físico (ah, vamos passar a falar semanalmente dos principais filmes que chegam aos serviços VOD a partir desta sexta!). Outras plataformas como o Netflix já trabalham mais com filmes não tão novinhos assim e as séries só chegam lá depois de exibidas a temporada inteira, quando não são de produção da própria Netflix. Nos serviços dos canais, como Fox, o conteúdo das séries é disponibilizado muitas vezes junto como a exibição do episódio.

Com certeza quando se fala em ver flmes e séries pela internet se pensa primeiro em Netflix. Mas como vocês puderam ver, há muito mais nesse universo do que um único nome. E isso vem mudando a maneira como as pessoas se relacionam com o hábito de ver TV. Segundo um levantamento recente, encomendado pela Globosat, entre 2012 e 2016 o uso do VOD cresceu 415% no Brasil. Apenas os conteúdos dos canais Globosat, como GloboNews, SporTV, GNT e Multishow, além de canais internacionais de filmes, como Universal, SyFy e Megapix, já contam 2,6 milhões de usuários cadastrados, com 4,5 milhões de downloads do aplicativo e mais de 60 milhões de horas assistidas. E essa é uma tendência mundial. Atualmente, cerca de 70% do tráfego de dados de toda a internet é de streaming de vídeo. A tendência é que cheguemos em 2020 usando 90% das trocas de dados no planeta para VOD. O mundo mudou e você nem viu porque estava assistindo vídeos de gatinhos do Youtube ou House of Cards na Netflix.

Rubens Bonfim é jornalista, trabalha com TI e escreve sobre vida digital no blog Vivendo no Século 21 (vivendoseculo21.wordpress.com). É colaborador da Se7e Cultura e escreverá a coluna Diversão Digital sempre dedicado à insana tarefa de acompanhar tudo que sai sobre entretenimento digital.


0 visualização
Anuncie aqui na Sete Cultura
banner 17 dias.jpg
pizzato.jpg

Os roteiros de cinema, shows, teatro, diversos, exposição e festas não são publicitários. Estes podem ser enviados para o nosso email contato@setecultura.com

Não nos responsabilizamos pelas modificações de última hora. 

As fotos utilizadas são de Divulgação.

Os artigos assinados não são de responsabilidade da Sete Cultura. Todos os direitos reservados. 

Reprodução proibida sem autorização por escrito.

Dúvidas, Anúncios e Programação

Envie seu email para:

contato@setecultura.com

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

@setecultura

© 2017 por Sete Ltda. Orgulhosamente criado com Wix.com