• Marcelo Araújo

Herói do rock’n’roll


Nesta coluna, queria falar de algo alegre, já que na semana passada o tema foi a morte do ex-vocalista do Soundgarden, Chris Cornell, mas não poderia deixar de prestar homenagem ao grande Kid Vinil, morto na última sexta-feira (19 de maio), aos 62 anos. Cantor, compositor, jornalista, radialista, DJ, VJ, produtor e executivo do mercado fonográfico, Vinil se destacou como uma personalidade marcante na cena musical brasileira.

Foto: Divulgação

Nascido Antônio Carlos Senefonte, ganhou o apelido de Kid Vinil em 1979, quando apresentou um programa sobre punk e new wave na rádio Excelsior, em São Paulo. O pseudônimo derivava de Kosmo Vinyl, manager do Clash, e de Kid Jensen, locutor da BBC, de Londres.

Nessa época, já era vocalista do conjunto punk Verminose. No começo dos anos 80, o grupo passou a se chamar Magazine, adotando o nome de uma banda britânica de new wave e post-punk que havia encerrado as atividades.

Com o estouro do rock nacional, o Magazine emplacou alguns hits nas paradas, como Eu Sou Boy, Tic Tic Nervoso e a versão de A Gata Comeu, de Caetano Veloso, que virou tema de uma novela global. Com um estilo bem-humorado, o quarteto paulistano se destacou por um som leve e dançante, com letras abordando o cotidiano urbano.

Em 86, Kid deixou o grupo e gravou um LP com a banda Heróis do Brasil. Em 89, lançou um álbum solo. Ao longo dos anos, Kid e o Magazine voltariam a se reunir e a gravar.

Considero até mais forte o trabalho de Kid Vinil como um educador do rock’n’roll. Li um texto de alguém comentando que naqueles tempos, no final dos anos 70, quando ainda não tínhamos a rede mundial de computadores, “Kid era a internet”.

Uma enciclopédia musical, em toda a sua carreira, atuou como divulgador das novidades que rolavam lá fora e aqui no Brasil. Muita gente conheceu novos artistas e bandas graças a ele. Em uma entrevista no ano passado, em sua casa, ao programa Vídeo Show, da TV Globo, Kid disse que sua coleção de discos reunia em torno de 10 mil CDs e outros 10 mil vinis.

Na TV Cultura, apresentou o programa Boca Livre, que abria espaço para o rock nacional, principalmente o independente, e o Som Pop, no qual apresentava clips. Um dos melhores momentos do Som Pop ocorreu no começo dos anos 90, quando Vinil produziu uma série sobre a história do rock, com direito a teatralizações divertidíssimas em que se vestia a caráter como punk, metaleiro, gótico e outros tipos.

Essa série do Som Pop tornou-se uma febre para mim. Gravei e revi infinitas vezes, a ponto de decorar e imitar frases ditas por Kid no programa, para alegria ou irritação dos meus amigos. “Pois é. Essas novas bandas que vieram a partir dos anos 80 trazem de volta as velhas guitar bands, a psicodelia e o rock de garagem dos anos 60. Tudo isso misturado com energia punk e, é claro, a usina sonora do heavy metal”, discursou ele no episódio dedicado a grupos barulhentos dos anos 80 e começo dos 90.

Tive o prazer de conhecer Kid Vinil e de entrevistá-lo para o Jornal de Brasília no começo da década de 2000, quando veio à capital para participar do festival Porão do Rock. Foi uma longa conversa na extinta Academia de Tênis, onde se hospedou. Na ocasião, falou do Magazine, de influências e do trabalho que começava a desenvolver como gerente da área internacional da recém-criada gravadora Trama.

Após a entrevista, contei-lhe que era fanático pelo Som Pop e que ficava imitando suas performances. Então, fiz a imitação para ele, que riu muito. Meses depois, durante visita à gravadora Trama, em São Paulo, o cantor me viu e veio me cumprimentar. O cara era extremamente simpático e atencioso.

Kid Vinil deixa saudades, por seu imenso carisma e pelas quatro décadas de amor à música, responsável pela formação de muitas cabeças roqueiras. Valeu demais!

Marcelo Araújo é jornalista, escritor e colaborador da Se7e. Publicou os livros Não Abra – Contos de Terror, Pedaço Malpassado, A Maldição de Fio Vilela, A Testinha de Gabá e Casa dos Sons.


16 visualizações
Anuncie aqui na Sete Cultura
banner 17 dias.jpg
thumbnail.jpg

Os roteiros de cinema, shows, teatro, diversos, exposição e festas não são publicitários. Estes podem ser enviados para o nosso email contato@setecultura.com

Não nos responsabilizamos pelas modificações de última hora. 

As fotos utilizadas são de Divulgação.

Os artigos assinados não são de responsabilidade da Sete Cultura. Todos os direitos reservados. 

Reprodução proibida sem autorização por escrito.

Dúvidas, Anúncios e Programação

Envie seu email para:

contato@setecultura.com

  • White Facebook Icon
  • White Instagram Icon

@setecultura

© 2017 por Sete Ltda. Orgulhosamente criado com Wix.com